25 de mar de 2009

Piauí produz mel orgânico tipo exportação

A produção de mel de abelha orgânico no Piauí cresce com a participação dos assentados da reforma agrária.
A produção e a melhor organização dos apicultores estão associadas ao cooperativismo. A produção de mel de abelha orgânico no Piauí cresce com a participação dos assentados da reforma agrária. Graças a treinamento e capacitação, a atividade complementa renda de famílias que tradicionalmente plantam feijão, milho e outras culturas tradicionais. Algumas destas famílias estarão no Rio de Janeiro de 26 a 30 de novembro, na V Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária.

A produção e a melhor organização dos apicultores estão associadas ao cooperativismo. Um exemplo é do projeto de assentamento União, criado pelo Incra no município de Geminiano, vizinho a Picos, considerada a “capital do mel” no Piauí. “Antes, a gente atuava no improviso no trato com as colméias. Agora, com o apoio e treinamento que estamos recebendo, a coisa está se profissionalizando e, com... certeza, iremos nos fortalecer, produzindo mais e melhor, gerando renda na região”, explica o assentado Martinho Marcelino Batista.

Dono de 58 colméias, Martinho faz parte de uma associação de pequenos apicultores dos assentamentos União e Barreiros, também no município de Geminiano. A associação está vinculada a uma cooperativa que faz parte da Central de Cooperativas Apícolas do Semi-Árido Brasileiro, a Casa Apis, um dos dois grupos que representará o Piauí na Feira Nacional da Agricultura Familiar.

Criada em 2004, a Casa Apis é parte de um processo que colocou fim à disputa entre cooperativas da região. “A rivalidade não era boa para ninguém. Se até os grandes bancos e outras organizações fazem fusão, porque nós, pequenos, deveríamos nos dividir? Perceber que somos mais fortes se somarmos força foi fundamental para o processo que vivemos hoje”, afirma Edmilson Alves da Costa, coordenador de produção da Casa Apis.

A Casa Apis apóia a melhoria da produção, o beneficiamento e a comercialização do mel produzido por agricultores filiados. Com isso, os pequenos apicultores têm mais força para escapar dos atravessadores. “Juntando o treinamento que ganhamos e a estrutura de apoio, agora temos um preço melhor no mercado e nos sentimos mais valorizados e preparados para a apicultura”, diz Martinho Batista, que, neste ano, produziu 20 baldes de mel, comercializando cada um a R$ 80,00. Com isso, obteve uma renda extra de R$ 1,6 mil.

Em janeiro, a Casa Apis inaugurou uma unidade de processamento industrial no Pólo Industrial de Picos, resultado de uma parceria entre apicultores, Fundação Banco do Brasil, Sebrae e organizações como Unisol Brasil (Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários), Unitrabalho e da Organização Intereclesiástica para Cooperação ao Desenvolvimento (ICCO, da Holanda). Desde então, exportou cerca de 286 toneladas de mel. Outras 53 toneladas seguirão o mesmo caminho. Um dos fornecedores é a casa de mel instalada no assentamento União, que dá a partida do processo de industrialização do produto e também funciona como entreposto comercial. A Casa Apis conta com o apoio de organizações como Usaid/Brasil, da Codevasf, do Governo do Estado e da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

A Casa Apis tem capacidade instalada para processar 2 mil toneladas de mel/ano e, entre outros países, exporta o produto para os Estados Unidos e outros centros. Com atuação em 34 municípios do Piauí e do Ceará, atualmente, beneficia a produção de cerca de 100 mil colméias, abrangendo em torno de 1,5 mil apicultores familiares de 52 comunidades. Cerca de 80% do produto é fornecido por pequenos e médios produtores.

A atividade apícola no Piauí, onde há em torno de 600 associações, é exercida por cerca de 25 mil produtores. O estado é o maior exportador e o segundo maior produtor de mel de abelha do Brasil. E esta atividade tente a crescer por conta de iniciativas como a difusão dos saberes ensinados em atividades de capacitação técnica, que são difundidas por agente de Desenvolvimento Rural Sustentável (ADRS).


0 comments:

Postar um comentário

Resultado da pesquisa