31 de mar de 2009

CAFÉS DO BRASIL NA FOODEX JAPAN 2009

Direto da ABIC

Pelo quinto ano consecutivo, os Cafés do Brasil estiveram presentes na Foodex, a maior feira de alimentos e bebidas da Ásia, realizada entre os dias 3 e 6 de março na cidade de Chiba, na região metropolitana de Tóquio, Japão. O estande integrava a área do pavilhão brasileiro, organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A delegação de empresários do setor de café foi acompanhada por Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da ABIC - Associação Brasileira da Indústria de Café e gerente comercial do PSI - Projeto Setorial Integrado de Promoção à Exportação de Cafés Industrializados, realizado pela entidade em parceria com a Apex Brasil...

O Japão é o 4º maior comprador do café torrado e moído industrializado por empresas brasileiras. "Estamos dando continuidade ao processo de promoção dos nossos cafés, iniciado há cinco anos, e que aos poucos vai consolidando a imagem de produtos diferenciados, com ampla variedade de aromas e sabores", diz Nathan Herszkowicz. Em 2008, as exportações de café industrializado, tradicionais e gourmets, para o Japão foram de US$1,7 milhão. A expectativa para 2009 é uma receita de US$2,5 milhões.

A participação na Foodex tem influenciado positivamente nos negócios de indústrias como a Café Bom Dia e a Café Turmalin. "Iniciamos a nossa participação no PSI em 2005 e um dos benefícios do programa tem sido o de facilitar o acesso das empresas a importantes feiras internacionais, como a Foodex, e a mercados ainda pouco explorados pelo Brasil", diz Toshiya Shimano, diretor da FATEC/SA, que produz o Café Turmalin. Para ele, a Foodex é uma valiosa porta de entrada para o mercado asiático. Os negócios com a Ásia representam hoje 10% dos negócios da FATEC.

Para Sydney Marques Paiva, presidente da Café Bom Dia, empresa que pelo terceiro ano consecutivo participa da Foodex, o espaço que a APEX oferece dá a oportunidade de levar e mostrar ao continente asiático o que temos de melhor. "É, sem dúvida alguma, uma oportunidade imperdível", acrescenta. Em 2008 o Japão teve 5% de participação nas exportações da empresa. Entre os clientes conquistados, estão a rede de supermercados Seiyu e diversos importadores localizados, de menor porte. Este ano, a Bom Dia leva para a Foodex as marcas National Geographic, Café Brazil, em latas de 39oz, Marques de Paiva Rainforest 250g, Marques de Paiva Fairtrade House Blend 250g, e Marques de Paiva Fairtrade Espresso 250g.

O mercado asiático, diz Toshiya Shimano, da FATEC, é extremamente exigente quanto à qualidade dos produtos e confiabilidade do fornecedor. "A principal exigência é o alto padrão de qualidade, o que é bastante positivo para nosso Café Turmalin que, além de apresentar a qualidade exigida, também apresenta a importante Certificação ISO 22000, que se refere à Segurança do Alimento".

Sydney Marques Paiva também define o mercado asiático como bastante conservador e que busca qualidade, confiabilidade e lealdade. "Eles querem, sim, ter produtos "fresh", e cada vez mais produtos sustentáveis e com 100% de rastreabilidade", diz, completando: "E aí é o nosso forte". A indústria Bom Dia é uma das empresas de café que mais certificações têm em todo o mundo. De acordo com Marques Paiva, "o mercado asiático tem características bastante peculiares, o que é natural, principalmente pelo fato de terem uma cultura milenar. Por isso, analisar o comportamento de consumo daquela região requer muita cautela. O processo de decisão do japonês diferencia-se muito em relação ao ocidente". Participar de feiras como a Foodex é, portanto, importante para entender e aprender a trabalhar com esse mercado.


0 comments:

Postar um comentário

Resultado da pesquisa