14 de mar de 2009

Collor reestreia em nova vitrine

13/03 - Às 8h36 da manhã de ontem, 16 anos depois de sair do Planalto debaixo de um processo de impeachment por corrupção, Fernando Collor de Mello, agora senador pelo PTB de Alagoas, assumiu novamente uma presidência... da Comissão de Infraestrutura. Um cargo infinitamente menor que a Presidência da República, que ele ocupou entre 1990 e 1992, mas que o senador Collor, no primeiro dia de trabalho, deixou claro que vai transformar na vitrine para não ser apenas mais um no plenário de 81 parlamentares.

Armado de um sorriso sempre aberto, cabelos grisalhos meticulosamente penteados e gestos calculados, Collor desempenhou ontem o papel de fiscal do poder público, ressuscitando o jeito "caçador de marajás" que o tornou conhecido nos anos 90. Rebatendo as suspeitas da oposição de que iria presidir a comissão como um "parceiro do governo Lula", Collor vestiu o figurino de fiscal das obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e se declarou "parceiro dos interesses nacionais".

No papel de senador/vereador, Collor criticou o Planalto por não renegociar dívidas de municípios e disse que a redução do IPI na venda de carros só favorece os Estados produtores. "Nenhuma política dará resultado, como o pacote habitacional da ministra Dilma, se não for resolvido o problema da inadimplência dos municípios."

Para marcar a estreia na presidência, Collor aprovou um ato que ele propôs: a partir de agora, além da sabatina, quem for indicado para a direção das agências reguladoras terá de provar que não tem dívidas fiscais com a União, os Estados e os municípios.

O Estado de S.Paulo


0 comments:

Postar um comentário

Resultado da pesquisa