14 de abr de 2009

Trimestre aponta recuo de 26% nas exportações e aumento de 45,3% nas importações

Seguindo a tendência apresentada desde o final do ano passado e acentuada no início de 2009, a indústria calçadista brasileira apresentou no trimestre nova queda nas exportações tanto no faturamento como no volume.
Segundo os dados da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) com base da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) de janeiro a março deste ano o setor faturou US$ 384,6 milhões ao embarcar 40,7 milhões de pares, o que significou um declínio de 26% nas divisas e de 24,8% na quantidade de pares exportados. Ao mesmo tempo, a importação manteve a trajetória de crescimento que vem preocupando os empresários. No trimestre, o Brasil comprou 13,1 milhões de pares, somando US$ 109,9 milhões, gerando um aumento de 45,3% no pagamento e de 15,6% no volume físico. “É o reflexo da entrada desenfreada de calçados procedentes da Ásia, principalmente da China. Ao mesmo tempo em que perdemos mercado no exterior, deixamos em aberto nosso mercado interno para a desova dos excedentes de estoque s que estão “boiando” no mundo”, aponta Milton Cardoso, presidente da Abicalçados. O preço médio do calçado importado no trimestre foi de US$ 6,67, enquanto o preço médio do par exportado pelo Brasil foi de US$ 9,43. Segundo ele, o efeito mais nocivo desta disparidade é a diminuição no volume de empregos. Conforme a Pesquisa Industrial Mensal Emprego e Salário do IBGE, referente ao mês de fevereiro de 2009, o índice de pessoal ocupado assalariado na produção de calçados e couro apresentou, no comparativo a igual mês do ano anterior, uma redução de 9,56%. No acumulado dos últimos doze meses, a queda foi de 8,64%. “E isto não precisaria ser assim”, pondera o dirigente. Segundo ele, o mercado interno tem resistido bastante à crise mundial e a indústria poderia estar, pelo menos, mantendo o n& uacute;mero de empregos caso as importações predatórias fossem impedidas pelo Governo. “A Abicalçados vem reiterando a urgência e a relevância de se adotar medidas de emergência que possam estancar este surto de importações e seus danos sobre a indústria e o emprego no Brasil”, diz.
Estados exportam menos - A redução dos embarques refletiu-se também nos Estados. Com exceção da Paraíba, todos registraram desempenho negativo. O Rio Grande do Sul, maior exportador de calçados do país em faturamento, embarcou 10,7 milhões de pares, 39,6% a menos em comparação ao mesmo período de 2008, quando exportou 17,8 milhões de pares. O faturamento recuou e os gaúchos receberam US$ 212,2 milhões, 34,3% a menos.
O Ceará, atualmente o principal exportador em volume de pares, apresentou um declínio de 19,5% no volume e embarcou 18 milhoes de pares. No trimestre de 2008, os cearenses haviam colocado no exterior 22,4 milhões. O faturamento reduziu 6,19% e as empresas exportadoras do Ceará arrecadaram US$ 87,7 milhões.
Neste trimestre, os paulistas exportaram 1,77 milhão de pares, obtendo divisas na ordem de US$ 28,4 milhões. A queda foi de 35,66% no volume e de 35,77% no faturamento.
A Paraíba foi o único Estado a apontar crescimento nos embarques e no faturamento. Os paraibanos exportaram 6,5 milhões de pares, um aumento de 22,71% sobre o trimestre de 2008. O faturamento também ficou positivo e encerrou o período com 26,6% a mais, obtendo divisas de US$ 22,8 milhões.

ASCom Abicalçados
Elizabeth Renz
imprensa@abicalcados.com.br
Caren Souza
caren@abicalcados.com.br
51 3594 7011
14 de abril 2009


0 comments:

Postar um comentário

Resultado da pesquisa