2 de abr de 2009

Drástica queda de 51% nas exportações de móveis para a Argentina.

Direto do Portal do Moveleiro
O mesmo ciclo de queda sentido no período 2000/2001 foi percebido no primeiro bimestre de 2009 com uma queda de 51% nas exportações de móveis para a Argentina, segundo a MOVERGS – Associação das Indústrias de Móveis do Rio Grande do Sul. O mesmo período do ano passado apresentou resultados da ordem de US$ 13,1 milhões contra atuais US$ 6,4 milhões. Mesmo com o fato de a indústria moveleira argentina estar desatualizada os números parecem não ser animadores. Enquanto no período de 2004 a 2008 as exportações brasileiras para aquele país aumentaram 72%, só neste primeiro trimestre já recuaram 39%, afirma Ademar de Gasperi presidente da FIERGS. A Argentina, assim como, a Venezuela e o Equador estão adotando medidas protecionistas, como os aumentos de alíquotas e, a implementação do licenciamento prévio às importações, medidas que comprometem o desenvolvimento e, o fortalecimento das relações bilaterais entre os países. Tais medidas parecem ser um contra senso, já que as indústrias moveleiras destes países não possuem produção suficiente para atender a toda a demanda. Mas não é só a América Latina que apresenta números negativos de crescimento. A França recuou 38,6%; o Reino Unido 19,1%; a Alemanha 11,1%; os Países Baixos 11,5%; e a Espanha 50%. O principal fator apontado para estas baixas performances é a retração pela qual passa a União Européia e, para agravar ainda mais o quadro das exportações brasileiras de móveis é o fato de a Argentina sozinha responder por um terço das exportações do setor. Como forma de tentar repor as perdas no mercado externo, o setor aposta em um aumento na demanda interna e já elaborou o seu “pacote de anticrise” que inclui medidas como a redução da alíquota do IPI dos atuais 10% para 5%, a redução temporária da alíquota do Imposto de Importação para alguns insumos e a destinação de parcela dos recursos do PAC para o setor moveleiro.
Fonte: Portal do Moveleiro - Redação: Blog do Barzan


0 comments:

Postar um comentário

Resultado da pesquisa